15 agosto 2019

[Resenha] | Corações quebrados | Sofia Silva | Editora Valentina



A obra “Corações quebrados” é o segundo volume da série Quebrados que teve mais de um milhão de leituras no Wattpad e nos conta a história de Emília e Diogo que tiveram seus corações destroçados por tragédias diferentes. A jovem vive os seus dias numa clínica, estagnada, destruída e sem perspectivas para um futuro feliz. Já Diogo também está quebrado e ao conhecer Emília encontra um apoio para superar suas dores e anseios, porém será que é possível dois corações destruídos encontrarem a felicidade?

Sofia Silva nos presenteia em “Corações quebrados” com uma obra incrível, forte, visceral e que desperta sentimentos variados até mesmo no mais duro dos corações.

Quando temos o coração esfacelado, destruído, quebrado, devastado, destroçado e assolado ficamos simplesmente arrasados. O ar nos falta, o chão se abre formando um buraco, a dor é dilacerante e chega doer a alma. Silva nos mostra de uma forma ímpar todas as dores dos personagens com uma verdade absoluta que é possível senti-las.

"É difícil conversar sobre pesadelos e morte com as pessoas, afinal não é o tema mais alegre que existe, por isso há a tendência de nos fecharmos dentro de um casulo, e, passado algum tempo, sentimos que é o lugar mais confortável. O problema é que só cabe uma pessoa, e, quando percebemos, estamos sozinhos naquele casulo apertado demais, mas o medo do exterior não nos permite sair."

Os temas abordados não são fáceis de absorver e superar, como: depressão, deficiência física, luto, segredos, superação, dor e confiança. Quando perdemos a vontade de seguir em frente e instauramos o nosso inferno pessoal tudo se torna incolor, sem brilho, sem cheiro e sem expectativas. Nos tornamos como passarinhos enjaulados e perdemos a simples vontade de viver, porém a escritora mostra que é possível ver a luz, lutar pela felicidade a alçar novos voos.

Por fim, Sofia ainda nos mostra que deficiência física não molda o caráter de ninguém e não define o que é felicidade. Devemos deixar os julgamentos de lado, sorrir de tudo e a todo o momento, deixar que nos amem e amar, enxergar além da capa e ver o coração do outro. Não tenham medo de se libertar do luto, aprender com a dor por mais difícil que seja e voar sempre, pois não existe algo mais esplêndido do que ser livre para ser feliz. Seja uma gaivota e voe lindamente rumo a sua felicidade, caro leitor!







14 agosto 2019

[Resenha] | Aprisionado à própria sombra | Leonardo Maugeri | Novo Século Editora



Leonardo Maugeri na obra “Aprisionado à própria sombra” aborda a história de Richard Jay e sua família, moradores da pacata cidade localizada ao sul da Inglaterra, em Portsun. Um acontecimento brutal muda a vida de Richard e seus familiares como de todos os moradores da pequena cidade.  Doze anos se passaram e um novo crime abala as estruturas da cidade. Especulações, fatos previsíveis e proporções gigantescas se chocam quando novas evidências vêm à tona. O detetive Hilton auxiliado por um policial recém-formado na prestigiada Escola de Polícia de Londres, a New Scotland Yard, embarcará em uma corrida contra ameaças sombrias e suspeitos furtivos para desvendar os mistérios que permeiam o crime.

Maugeri nos apresenta uma escrita maravilhosa, rica em detalhes com ambientação singular, um português rebuscado e muito bem escrito. A técnica da escrita é requintada e nos dá gosto de ler a obra.

“A tristeza esmagava seu peito com tanta força que sentia seu corpo diminuir, ficar cada vez menor, tornar-se um pequeno inseto indefeso em meio a um mundo grande e ameaçador. Nunca se perdoaria pelo que fizera, pois sabia que, de certa forma, ele também a matara.”

Os temas abordados na obra são perfeitos, como: segredos, mentiras, investigação criminal, relações familiares, depressão, desaparecimento, ameaças, mortes, culpa, fidelidade, trabalho em equipe e revelações.

“Aquele simples ruído trouxe consigo um tsunami de sentimentos. Lembranças foram ressuscitadas e temores revividos em um curto e assustador filme de terror, uma síntese do que passara nos últimos anos. Sua vontade era a de se levantar e correr o mais rápido que conseguia para bem longe dele, mas já era tarde demais; podia escutar passos ligeiros subindo a escada. Virou-se na cama e esperou com o coração palpitando forte dentro do peito.”

O escritor nos envolve na trama e o leitor começa a traçar as possíveis pistas. Alguns dos fatos ocorridos eu consegui identificar rapidamente como acabariam, porém o real motivo de um determinado acontecimento foi o ápice da obra. Leonardo teve uma sacada genial e nem passava pela minha cabeça tal motivo. Estar aprisionado à própria sombra é algo doloroso e que mata lentamente diariamente. Algumas vezes é preciso ter uma força maior para sair das trevas e encontrar a luz. Será que o protagonista Richard Jay conseguiu se libertar da própria sombra? Até que ponto segredos e mentiras podem te aprisionar, leitor? Leia e depois me conte!







12 agosto 2019

[Resenha] | O Ceifador de Anjos: A Coleção de Fetos | Juliete Vasconcelos | Editora Sekhmet



A obra “O Ceifador de Anjos: A Coleção de Fetos” aborda a história de Vincent Hugles, que é para a polícia o serial killer mais procurado de Los Angeles e para a sua esposa Donna ele é o homem perfeito. O casal de detetives Christopher Lang e Ramona Hale estão com o caso mais enigmático de todos os tempos e a busca pela verdadeira identidade do Ceifador de Anjos se torna uma questão de honra.  Vincent é ardiloso, inteligente, sedutor, manipulador e consegue enganar a todos. Ninguém imagina que por trás de um homem tecnicamente perfeito está um psicopata que coleciona fetos.

Juliete Vasconcelos tem uma escrita simplesmente maravilhosa e ela não perde para nenhum autor estrangeiro, pois sua obra nos arrebata para um universo que eu amo que é o dos psicopatas, uma ambientação rica em detalhes e personagens marcantes que compõem todo o enredo da obra.

"O inimigo, que o semeou, é o diabo; e a ceifa é o fim do mundo; e os ceifadores são os anjos. Mateus 13:39.”

Vasconcelos nos mostra como funciona a mente de um psicopata e como o mesmo crê que existe explicação plausível para todos os seus atos. No caso de Vincent ele manipula a todos com tanta maestria que chega a dar raiva. Sua esposa Donna em sua ingenuidade nos surpreende com a força e determinação perante algumas situações.

"Atentou-se a sua expressão serena, onde nada em sua aparência denunciava os seus pensamentos. Sorriu para si mesmo, um sorriso bonito e espontâneo, que chegava a ser sedutor e convidativo."

Por fim, a minha experiência com a obra foi melhor do que eu esperava e sem sombra de dúvidas um dos livros com psicopatas que mais me cativou atualmente. Já estou ansiosa para ler os outros volumes e jurava que eu fosse a única “louca” que abria a barriga de uma mulher gestante para retirar o feto no mundo da escrita nacional. Se você gosta de um bom thriller psicológico e um romance policial cheio de adrenalina e emoção, está no livro certo. Vocês já conhecem a obra? O que você faria ao descobrir que o inimigo está mais próximo do que imagina? 





25 julho 2019

[Resenha] | A gangue dos sonhos | Luca Di Fulvio | Vestígio



No romance “A gangue dos sonhos” o escritor Luca Di Fulvio nos apresenta a italiana Cetta Luminita, nos tumultuados anos 20 em Nova York. Após sofrer muito com a vida que levava a jovem, busca por dias melhores com o seu filho Christmas. Na metrópole o rádio está nascendo e o cinema começa a dar voz aos personagens. Christmas vai crescer entre gangues rivais, em um ambiente de pobreza e violência, porém a sua imaginação e a sua coragem são armas que ele utiliza para sobreviver e lutar diariamente em busca do seu lugar ao sol.

A obra é dividida em duas partes, com 70 capítulos ao total e quase 600 páginas de pura emoção. Ter a infância roubada da pior forma possível é algo devastador e não é fácil de digerir, mas Cetta teve uma força emocional gigante e o grande sonho de ser feliz. E Christmas cresceu com a esperança de uma nova existência.

“Christmas tinha crescido, ficado alto. E forte. Tinha uma cicatriz recente logo abaixo do olho esquerdo. E uma barba rala e malfeita aloirava suas bochechas. Usava um terno que muitos não teriam condições de comprar, porém amarrotado e sujo. No bolso direito, um canivete. No olhar, uma luz apagada, como que adormecida.”

Luca nos presenteia com um enredo maravilhoso, com os personagens bem distintos, muitas reviravoltas, encontros e desencontros. Foi o meu primeiro contato com a escrita do autor e posso dizer que foi surpreendente.

Durante a leitura por mais pesada que pareça ser pude sorrir com algumas passagens icônicas de humor. A obra retrata violência, estupro, prostituição, amor, amizade, superação, desprezo, preconceito, sucesso e esperança.

Di Fulvio singularmente nos leva a refletir sobre o que é ter a infância roubada, ser subjugado, a luta para vencer o racismo, a disparidade social e o ápice que é manter a integridade e gritar aos 4 ventos: EU VENCI!

Você conhecia a obra? O que acha de uma história que se desenrola  como um filme e que o aplauso final será o seu sorriso?